Lembra do projeto?

Pois bem, no início de julho comecei a escrever posts (1, 2 e 3) contanto que compartilharia por aqui todo o desenvolvimento de uma coleção de calçados, iniciando com desenhos, que aos poucos teriam sua qualidade melhorada, afinal de contas, tudo é questão de prática, né?! A ideia sempre foi destacar de maneira objetiva como acontece todo o desenrolar desta futura coleção. Entretanto, aos poucos fui sentindo dificuldade para poder apresentar aqui o que estava criando, um pouco de bloquei criativo, já que busco criar uma linha de calçados com modelagens que sejam originais e autênticas.

projeto08

O que ocorre é que parei, momentaneamente, de compartilhar por aqui, nas últimas 4 semanas, porque de fato, encontrei dificuldades, entendo que preciso de mais pesquisa. Mas, isso não significa que não irei seguir adiante com o projeto. Por hora, estou reunindo informações, para apresentar de modo interessante tudo isso, especialmente para quem lê o blog.

Assim, aos poucos, irei retomando tudo isso e conforme as evoluções forem acontecendo, serão apresentadas. Por hora, vou reunindo tudo que tenho em mente para a coleção! Aguarde!

Geração de Alternativas

Esta semana os desenhos continuam, assim como na semana passada comentei, todos os desenhos são esboços, por isso o ritmo segue sendo este também. Isso porque, como já tinha comentado, a intenção neste momento é deixar as ideias aparecerem, em desenhos despretensiosos e com o único objetivo de gerar mais e mais alternativas.

painel 2GA

Com o passar do tempo, os desenhos ganharão mais identidade, serão ilustrados adequadamente, destacando cartela de cores e materiais. Entretanto, hoje é apenas reforçar noções de design, modelagens, modelos e linhas que sejam coerentes com o conceito escolhido para este projeto.

Nesta etapa da geração de alternativas, o objetivo foi pensar em modelos de calçados simples, já existentes, mas que tivesse alguma informação diferenciada na modelagem como; recortes assimétricos, pureza de linhas, ou seja, a presença de poucos elementos e que acima de tudo, estes calçados demonstrem uma identidade.

Muito embora, talvez, este post pareça super simples e “bobinho”, acho fundamental, falar de todo o transcorrem (ainda que inicial) deste projeto, de coração aberto e extrema simplicidade como está sendo para desenvolver e planejar este futuro produto.

Semana que vem tem mais! Gostou? Conta aqui!

Vamos Falar de Geração de Alternativas? – O início

No último post desta série falei sobre a cartela de cores, ou seja, quais as cores que se apresentarão nos modelos de calçados criados, tendo já de modo bem claro o tema inspiração e o público alvo.

Assim, nesta etapa do desenvolvimento deste projeto começa a fase de geração de alternativas, que nada mais é que (com toda essa bagagem de informação citada anteriormente); os desenhos. Neste momento, tudo é bem embrionário, são apenas esboços de modelos, com o objetivo de ir dando vasão as ideias, deixando tudo fluir, para posteriormente apresentar desenhos mais incrementados, ilustrados à mão ou em algum programa de desenho.

Por isso, nesse começo não há pretensão alguma de destacar desenhos “maravilhosos”, super sofisticados, são apenas croquis rudimentares. Além disso, é indispensável desenhar, desenhar e desenhar, para que lá na frente, haja uma quantidade razoável de opções para fazer a seleção destas alternativas.

PAINELGA

É claro que a qualidade dos desenhos e o grau de incremento destes irá se elaborando com o passar do tempo, até porque tudo é uma questão de exercício e prática, permitindo o desenvolvimento das habilidades. Como faz muito tempo que não desenho, confesso estar enferrujada, mas sei que aos poucos tudo irá melhorando.

O foco deste projeto é criar modelos de calçados baixos, em modelagens simples, que sejam versáteis para vários looks do público alvo e que possuam um design essencial, pois deste modo, irá ser coerente também com o tema/inspiração eleito.

Para esta etapa utilizei algumas referências que foram fundamentais:

  • A montagem de um projeto com painéis (moodboard público alvo, tema/inspiração e cartela de cores), pois aqui impreterivelmente tive que me aprofundar, estudar sobre cada etapa.
  • Livro Design de Sapatos: este livro é precioso para quem estiver estudando o assunto, ajuda em cada passo.
  • Vídeos da série MEU CALÇADO, de Aline Antunes: aqui há um embasamento para quem nunca desenhou sapatos e deseja ter uma noção.

Talvez a etapa de geração de alternativas seja a parte mais importante dentro de um projeto, portanto requer muita atenção e não se resume a meia dúzia de desenhos. Por isso, este é apenas o princípio, ainda terão muitos desenhos, representando toda a  identidade do tema/inspiração e público alvo pesquisado. Continue acompanhando que em breve tem mais, ok?! Gostou? Comenta aqui o que acha, tem dicas ou sugestão para este projeto?

Aprender com vídeos?

Lembra que semana passada comecei a falar aqui da série “Meu Calçado“? Pois bem, hoje vamos dar continuidade ao meu aprendizado e será possível ir aos poucos, percebendo minha evolução passo a passo com estes vídeos.

Neste segundo vídeo, Aline Antunes destaca a importância de desenhar para que assim sejam criados modelos de calçados com design, que saiam do convencional e que possam tem um valor agregado diferenciado. É interessante perceber, a maneira como Aline vai ensinando a desenhar de uma forma bem possível, inclusive para quem não tem nenhuma noção de desenho. Mas, antes de qualquer coisa já ressalto: é questão de prática, vá exercitando que aos poucos você irá se soltar e descobrir o seu jeito.

Comecei a desenhar conforme sugerido por Aline, mas notei uma dificuldade em particular, talvez isso tenha até muita relação com minha formação em design, ou seja, me descobri mais metódica do que imaginava. Sabe o motivo? Meu maior empecilho, não foi exatamente o ato de desenhar em si, mas sim a falta de um norte: não sabia para quem estava desenhando aquele calçado, ou seja, não sabia quem era meu público alvo. Assim, parei tudo e fui atrás, fui montar um singelo moodboard com a identidade destas mulheres.

moodboard

Montei este painel com a ideia de ser fundamentalmente um auxílio, para tornar a personalidade deste público alvo mais real, pensando em:

  • quem eram estas mulheres?
  • como elas se vestiam?
  • qual a idade delas?
  • profissão?
  • quais as modelagens de roupas que mais gostavam? Cores?
  • atitude?
  • arquiteturas e proporções?

Depois de já ter pensando em tudo isso que citei acima, acredito já ter um bom caminho iniciado, facilitando a criação e o desenvolvimento destes calçados. Agora é hora de começar a desenhar, de fato!

Gostou do post? Semana que vem tem os desenhos, ok?! Vem ver!

 

 

 

Ilustração de moda: técnicas, ideias e experimentações para colorir

A dica hoje é o livro “Ilustração de moda: técnicas, ideias e experimentações para colorir“, escrito em português por Marcelo Belisário e produzido pela Editora Senac Ceará.

ILUSTRAÇÃO DE MODA TÉCNICAS

O livro tem um formato bastante prático e atrativo, semelhante à uma revista, é um excelente material para estudantes e profissionais da área da moda que se interessam por ilustração, destacando as principais técnicas de ilustração, materiais de desenho necessários, representação de rendas, denin, estampas e suas padronagens, plumas, paetês e muito mais.

No próprio livro é  possível treinar as técnicas ensinadas, pois é um material semelhante à aqueles livros de colorir que viraram febre nos últimos tempos, sabe?! Com a vantagem de ser algo bem voltado para quem trabalha com moda. Ainda que seja muito focado em vestuário, acredito que quem se interesse por calçados poderá tirar um bom proveito também, desenvolvendo suas habilidades e ressaltando maneiras de representar os materiais na hora de preencher uma ficha técnica ou criação de uma coleção, por exemplo.

Pesquisando por aí, encontrei na Livraria Cultura por um preço justo, levando em consideração a qualidade e eficiência do livro. Trata-se de é um produto recém lançado, com cerca de 80 páginas, em folhas de excelente qualidade, ilustrações que facilitam o aprendizado e é um dos poucos materiais do gênero existentes em português, portanto valendo o investimento.

 

Aprendendo ilustração no Insta – Parte 2

Semana passada comentei aqui do quanto o Instagram é uma ferramenta útil para aprender  e se inspirar em ilustração de calçados, hoje continuo o assunto, mas com foco nas estampas e texturas.

Da mesma maneira que comentei no post anterior, a observação no trabalho de outros ilustradores poderá ajudar imensamente o seu aprendizado.

Dá só uma olhada nestes perfis do Insta para conhecer, observar, aprender se inspirar:

 

Brooklyn Hill tem um trabalho bem interessante, que se destaca pelo efeito aquarelado em muitas ilustrações, mas nota-se também o uso de rotuladores, canetas e lápis de cor. Em especial nesta ilustração, vale ressaltar o êxito no desenvolvimento delicado do efeito das rendas, solado com textura de corda e o sutil efeito da aplicação das pedrarias na primeira alpargata. E como resultado de um desenho onde pode-se ver bastante realidade.

Parinaz Aresh Wadia tem um perfil com desenhos bastante simples e moderninhos, onde nota-se um cuidado na hora de representar estampas, usando aquarela e lápis de cor. Perceba que o animal print onça foi feito com delicadas pinceladas marrons e pretas, mas o efeito de todo o desenho ficou por conta do acabamento dos contornos com lápis de cor.

E por último destaco o trabalho de Joanna Baker, não faz muito tempo que descobri seu perfil no Insta, mas de cara fiquei encantada, tudo é super glam e ulta feminino, super indico conhecer. Observe nesta ilustração todo o requinte e cuidado, no efeito floral, o sombreado na parte superior do salto, tudo isso usando rotuladores, lápis branco e canetas de espessura fina, para dar acabamento nas flores.

Joanna tem também um canal, onde apresenta técnicas de ilustração em calçados. É super fácil de entender e rápido. Para quem gosta do assunto, tem muita vontade de aprender indicaria super conhecer o canal. Dá só uma olhada neste vídeo!

Aprender estampas e texturas (rendas, aplicações, pedrarias e metais) é uma evolução do seu trabalho e das suas habilidades nas técnicas de ilustração, seja usando exclusivamente um tipo de material (grafite, lápis de cor, rotuladores, aquarelas, etc) ou então, tirar proveito da técnica mista e usar livremente, mesclando os materiais. Na verdade, o que mais importa sempre é que o resultado final fique interessante!

Aprendendo ilustração no Insta – Parte 1

Já comentei diversas vezes por aqui o quanto o Instagram é uma ferramenta poderosa para aprender os mais diversos assuntos a respeito de calçados. Mas, hoje o que quero destacar é o quanto o Insta pode te ajudar na hora de aprender ilustração, seja a técnica que for, ele poderá te trazer uma excelente bagagem.

Hoje o assunto são as técnicas e materiais, ou seja, você pode descobrir maneiras excelente de aprender como fazer as ilustrações somente através da observação dos perfis do Insta.

Dá só uma olhada nos que eu conheci e achei super inspirador:

 Técnica com grafite e esfuminho, observe cada detalhe de luz e sombra de cada calçado, que mesmo os desenhos estando em preto e branco eles tem vida própria, volume, características de cada material, brilho, movimento, texturas etc. Perfil Olga Kaznakova

No perfil de Matt Franklin nota-se o uso da técnica de lápis de cor em diversos trabalhos, em algumas ilustrações há o uso da frotagem. Nesta em especial, deste modelo de tênis, vale destacar todos os efeitos luz e sombra, contornos, especificidades do solado com ranhuras, detalhes como texturas do cabedal, parte (possivelmente) flexível do calcanhar. Toda a ilustração é bastante verdadeira e faz com que de fato, se possa imaginar um futuro calçado.

O rotulador é uma das técnicas que oferece um resultado bastante interessante e de forma rápida. Ele é bastante muito utilizado por ilustradores, justamente por essa praticidade e na hora representar calçados pode ser vista como um ótimo aliado. No perfil de Joanna Kamińska  na ilustração destes calçados o que se nota são as características como por exemplo, de brilho de cetim (no modelo preto) e um brilho mais acentuado do verniz (no modelo amarelo), além do realismo dos detalhes das fivelas em ambos os desenhos e os efeitos de luz e sombra nos saltos.

Conheço o trabalho da ilustradora Karrie Hess já há algum tempo, sua especialidade é a aquarela, uma das técnicas mais difíceis, na minha opinião. Mas, seu trabalho é impecável, cada ilustração é uma verdadeira jóia. Ela demonstra em cada ilustração um domínio impar, como é o caso deste famoso modelo Valentino. Observe cada detalhe da ilustração, o taquinho do salto, a sombra entre o salto e o solado, o brilho do verniz no cabedal, os volumes dos spikes, todo o contorno e volume da parte interna, desde etiqueta da marca até a palmilha.

Na minha opinião, o que é mais válido nesta rede é que você pode, de maneira quase inusitada, conhecer  ilustradores do mundo todo (de onde você quiser e nem imaginar também!), isso poderá te ajudar a criar um bom repertório, conhecer o trabalho destas pessoas e através da simples observação, em qualquer técnica, você inegavelmente se sentirá inspirada e aprenderá.

Técnicas de Ilustração: Frotagem

A frotagem ou frottage é uma técnica de ilustração muito utilizada para representação de texturas, ou seja, ela é uma forma de dar realidade ao seu desenho enfatizando as superfícies do calçado. 

 Imagem retirada do Instagram de Wagner Campelo

Não há regras para a frotagem tudo dependerá da sua criatividade e do que precisará ser representado.

E como é feita? Ela é feita sobrepondo a superfície desejada (uma folha de árvore, um pedaço de madeira, uma moeda, um pedaço de tecido, retalho de juta, pedaço de lixa etc) em um papel e basta passar o lápis por cima, aos poucos você verá o resultado.

Imagens retiradas de Igor Panov e de Bridget Lisec  

Os tênis são calçados cheios de contrastes de tecidos, assim o uso da frotagem pode ser uma boa alternativa para deixar as ilustrações o mais próximo do resultado real.

Técnicas de Ilustração:Pastel Seco

As ilustrações de moda que utilizam a técnica do pastel seco são na minha opinião um pouco ambíguas. Digo isso por se tratar de uma técnica bem difícil de se manipular, já que além de exigir bastante conhecimento, prática e portanto, “técnica” , exige também algo nem sempre fácil de se ter, que é controle.Isso porque enquanto você estiver pintando com o pastel, a cor pode adquirir, de certa forma, vida própria e ir para partes do  seu desenho que você não desejava. Isso ocorre,muitas vezes, porque os pigmentos grudam no dorso da sua mão ou em alguns casos, se você suar nas mãos o efeito será prejudicado.

 
Entretanto é importante ressaltar que é uma técnica que além de exigir muito domínio, não é de resultado tão rápido quanto o rotulador, por exemplo. Por outro lado, é uma forma de ilustração que preserva muito o valor artístico, dando status de obra de arte.Atualmente, na indústria calçadista, durante a fase de projeto a ilustração com pastel é pouco usada, mas é indispensável reconhecer seu valor. Ao longo do tempo, aprendi diversas formas de usar o pastel seco e destaco aqui aquela que foi mais eficaz para mim, onde consegui manter a situação mais sob controle.Você vai precisar dos seguintes materiais além da caixinha de pastel seco:estilete, hastes flexíveis, superfície para esfarelar o pastel (pedaço de papel rígido, pires, pratinho de isopor, godê de aquarela e afins) Como usar:Inicialmente você deverá ter seu desenho esboçado e contornado.Escolha a(s) cor(es) que irá utilizar e esfarele com o estilete no pratinho, depois, com todo cuidado, passe a haste flexível no pigmento esfarelado e então comece a colorir seu desenho.Quando terminar, nunca dê um “assoprinho” isso poderá borrar seu desenho.

 

Na realidade, o que deve ser feito é “balançar” suavemente no ar a sua folha e isso evitará possíveis danos e ajudará a manter limpo seu desenho. Repita isso com outras cores que desejar.Neste caso os acabamento e efeitos de luz e sombra podem ser dados com lápis de cor, o que ajudará a dar mais precisão e delicadeza ao desenho.

Produção de alpargatas

Sabe como são produzidos as alpargatas?

Dá só uma olhadinha nesse vídeo produzido pela marca espanhola Walk in Pitas.

 

É super rápido e permite ter uma noção geral de como é o processo de modelagem, de costuras, colocação de palmilhas, confecção de solados e acabamentos. Vale a pena conhecer, hein?!

Bom final de semana!!