Reflexões sobre um calçado atemporal

Na rotina profissional de um designer de calçados muitas vezes, somos obrigados a refletir profundamente sobre o processo produtivo, a constante necessidade de estar informado a respeito das tendencias globais sobre a moda e isso, acaba gerando um ciclo vicioso de pouca criatividade e muito automatismo. O que para quem trabalha com desenvolvimento de produtos, é muito delicado, pois um calçado (ou outro produto) para se destacar, ser coerente com o trabalho de quem os desenvolve precisa de um “all factor“. E aí?  O que os diferencia nesta era tão globalizada e de acesso tão ágil à informação? Quase nada ou muito pouco.

 

Porém, como sempre digo, é obvio que todos estes fatores dependem de uma série de outros, como por exemplo: que tipo de trabalho alguns designers seguem? Designers que trabalham para grandes empresas, desenvolvem (geralmente) produtos para a grande massa, portanto, isso permite que haja um produção em larga escala e que o custo de um calçado seja relativamente menor ao trabalho de um designer que trabalha de modo autoral.

Designers autorais apresentam um trabalho de maior cuidado com o processo criativo, tudo é muito mais personalizado, com materiais diferenciados e de modo quase artesanal. Muitas vezes são nestes calçados, por terem toques exclusivos, produção a dedo, é onde está o trabalho mais original e quem se dispõe a consumi-los quer algo assim. Aceita o diferente e inédito, gosta de sair do que é considerado padrão.

Ao mesmo tempo acho importante ressaltar, que mesmo com o passar dos tempos, a evolução das técnicas de produção, a própria evolução da história da moda nas sociedades, há algumas modelagens que indiscutivelmente, se tornaram clássicas de tal modo, que são sinônimos de elegância e atemporalidade.

Quando falamos de calçados, os scarpins e as sapatilhas facilmente são citadas como um dos calçados mais clássicos e consequentemente atemporais. Ou seja, praticamente, sempre estão “na moda” e portanto, adequados, fazendo com que as usuárias não se sintam inadequadas ao meio em que vivem.

E tudo isso é resultado de que será? A reflexão seria ampla, mas em linhas gerais, devemos levar em conta, as transformações ocorridas na história, fazendo com que estes modelos, de certa forma, se perpetuem e continuem sendo produzidos e usados amplamente pelas mulheres. Mas, é impossível não relevar o papel de forte “influencer” na moda, como o cinema, a televisão e o poder intrínseco que estas modelagens de calçados trazem.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s